Um estudo sobre as distopias literárias: o caso de Neuromancer de Willliam Gibson.

Autores

  • Letícia Ruoso Wehmuth Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Literatura, Distopia, Cyberpunk, Tecnologia

Resumo

Resumo

As distopias literárias são um estilo de literatura que cresceu como um desdobramento da ficção científica, desenvolvendo temas principalmente conectados com um futuro catastrófico e fatalista. Muitos são os temas trabalhados por essas narrativas, mas nos interessa especificamente nesse artigo como fonte a obra Neuromancer publicada em 1984 pelo norte-americano William Gibson, por acrescentar o aspecto de descontrole tecnológico para caracterizar o tom distópico do livro, no qual as inteligências artificiais arquitetam planos para superar o poder dos homens. Posteriormente, especialistas denominaram Neuromancer como um ponto de partida para o cyberpunk, por reunir aspectos de uma sociedade altamente tecnológica, mas com muitos problemas, sintetizados a partir do comportamento e da estética inspirada no movimento punk. Assim como, representa o contexto dos anos 80, governo de Ronald Reagan e o imaginário de fim do mundo que prevalecia por conta da Guerra Fria. Ainda analisamos as distopias de maneira geral como sintoma de falência da temporalidade moderna, constituída como um tempo que tinha o futuro como espaço para se conquistar, porque esse futuro só poderia trazer avanços considerando o homem aliado à ciência. Porém o século XX trouxe uma ruptura para essa temporalidade, e atualmente cresce uma perspectiva pessimista sobre o futuro.

Palavras-chave: distopia, cyberpunk, tecnologia.

Abstract

Literary dystopia is a style of literature that grew out of science fiction, developing themes primarily connected with catastrophic and fatalistic future. There are many themes covered by these narratives, but the work Neuromancer published in 1984 by the American William Gibson specifically interests us in this article as a source, as it adds the aspect of technological lack of control to characterize the dystopian tone of the book, in which artificial intelligences devise plans to overcome the power of men. Later, specialists called Neuromancer as a starting point for cyberpunk, for bringing together aspects of a highly technological society, but with many problems, synthesized from the behavior and aesthetics inspired by the punk movement. As well, it represents the context of the 1980’s, the Ronald Reagan administration and the end-of-the-world imaginary that prevailed because of the Cold War. Dystopias are in general analyze as a symptom of the failure of modern temporality, constituted as a time that had the future as time that had future as a space to conquer once that this future could only bring advances considering man allied to science. However, the 20th century brought a break to this temporality, nowadays a pessimistic perspective of the future is growing.

Key words: dystopia, cyberpunk, technology.

Biografia do Autor

Letícia Ruoso Wehmuth, Universidade Federal do Paraná

Mestranda do programa de pós-graduação em história da Universidade Federal do Paraná. Bolsista CAPES.

Referências

Fonte

GIBSON, William. Neuromancer. 5º edição. Editora Aleph. São Paulo. 2016.

Referências bibliográficas

BUCK-MORSS, Susan. Mundo de sonho e catástrofe: O desaparecimento da utopia de massas na União Soviética e nos Estados Unidos. Florianópolis. Editora UFSC. 2018.

BERARDI, Franco. Depois do futuro. Uberlândia. Editora Ubu. 2019

FURONI, Evandro. Entrevistamos William Gibson, o pai do cyberpunk. Revista Galileu. 2005. Disponível: https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2015/03/entrevistamos-william-gibson-o-pai-do-ciberpunk.html. Acesso em maio de 2021.

GALLO, Ivone Cecília D’Avila. Por uma historiografia do punk. Projeto História. nº 41. Dezembro de 2010.

______________. Punk: cultura e arte. Revista Varia História. Belo Horizonte. 2008. vol. 24, nº 40: p.747-770, jul/dez.

KUGLER, Jefrey. “Sci-fy Novelist William Gibson on the invention of the term “Cyberspace” and how AI could be trully intelligent.”. Revista Time. 2020. Disponível em:<https://time.com/5770124/author-william-gibson-new-book-interview/>. Acesso em maio de 2021.

SEVCENKO, Nicolau. Corrida para o século XXI. No loop da montanha-russa. São Paulo. Companhia das Letras. 2001.

WHITE, Hayden. O evento modernista. Revista Lugar Comum. Nº 5-6. 1992.

______________. O fardo da história. Trópicos do discurso: Ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo. Edusp – Editora da Universidade de São Paulo. 2001.

_______________. O passado prático. Revista Artcultura. Uberlândia. v. 20, n. 37, p. 9-19.2018.

Downloads

Publicado

27.06.2022

Como Citar

Wehmuth, L. R. (2022). Um estudo sobre as distopias literárias: o caso de Neuromancer de Willliam Gibson. Escrita Da História, 2(16), 190–206. Recuperado de https://escritadahistoria.com/index.php/reh/article/view/268